Vídeo – Bastidores de Aliança do Crime (Maquiagem)

Abaixo vocês podem conferir um dos extras que fazem parte do Blu-Ray de ‘Aliança do Crime’ (Black Mass). No vídeo é possível acompanhar todo o processo da maquiagem usada em Johnny para viver o notório criminoso James “Whitey” Bulger no filme com comentários do mesmo, do diretor Scott Cooper e do maquiador responsável pela transformação, Joel Harlow.

Vídeo – Johnny e Amber no programa ‘Overhaulin’

Ontem foi exibido nos Estados Unidos a participação de Johnny Depp e a esposa Amber Heard no programa ‘Overhaulin’. Leia mais sobre o assunto neste tópico. Confira abaixo o episódio.

Instruções: Clique duas vezes. Na primeira vez abrirá uma página em outra janela (só fechar),depois clique novamente e assista o video. Não é necessário baixar programas para assistir.

Edit: O vídeo também está disponível em nossa página no Facebook. Clique aqui e confira!

Black Mass: Ainda há fascínio por mafiosos da velha escola

Black Mass: Ainda há fascínio por mafiosos da velha escola
por: Rui Pedro Tendinha | DN Portugal

Muito mais do que o filme de reabilitação de Johnny Depp, “Black Mass – Jogo Sujo” volta a pôr o filme de gangsters na ordem do dia. Chega na quinta-feira aos cinemas portugueses.

Um dos títulos mais sonantes da rentrée chega agora aos cinemas depois de uma passagem glamorosa pelo Festival de Veneza e pelo Festival de Toronto. Um ambicioso filme de gangsters que coloca Scott Cooper (Crazy Heart, 2009) na lista A dos novos realizadores de Hollywood. Uma história ‘larger than life’ sobre Whitey Bulger, o gangster mais procurado nos EUA e que se tornou figura lendária por escapar sucessivamente à justiça.

Com uma carga épica imponente e nada subtil, Black Mass assume-se por completo como “filme de género”; o ‘gangster movie’, com os seus códigos e subcódigos.

Baseado no bestseller do The New York Times, ‘Jogo Sujo’, escrito pelos jornalistas Dick Lehr e Gerard O”Neill, recentemente lançado pela Marcador, a intriga do filme acompanha com detalhe o período dos anos 80 quando Whitey Bulger (Johnny Depp) se impôs em Boston como o barão do crime organizado, afastando a máfia de origem italiana graças a um entendimento com o FBI. Bulger tornar-se-ia o principal informador das forças federais e, em troca, as autoridades fechavam os olhos aos seus negócios sanguinários e ilegais. Na verdade, como o livro sugere, Bulger era de uma frieza e de uma violência dignas de um verdadeiro sociopata, estando sugerido que durante a sua prisão em Alcatraz tenha sido vítima de experiências com alucinógenos. O filme também explora a sua relação com o irmão Billy Bulger, o todo-poderoso senador do estado. Mas é sobretudo o acordo entre John Connoly, amigo de infância e novo investigador do FBI colocado em Boston, que a narrativa de ‘Black Mass’ segue. De fora ficam pormenores sobre os anos de fuga de Whitey. Durante décadas tornou-se o homem mais procurado da lista do FBI e só na terceira idade, num lar de idosos, em 2011, é que foi finalmente apanhado.

Fonte

Artigo do jornal de Portugal – DN

Um ator chamado Johnny Depp
por: João Lopes | DN Portugal

Há um valor simbólico na interpretação de Johnny Depp em Black Mass – Jogo Sujo que transcende o trabalho específico de composição da figura do gangster James “Whitey” Bulger. Não que esse trabalho seja banal. Bem pelo contrário: a definição da personagem, ainda que alicerçada numa elaborada manipulação do corpo, em particular do rosto (proeza que constitui uma imagem de marca de momentos marcantes da carreira de Johnny Depp), envolve uma caracterização psicológica que oscila entre o enigma sem palavras e a transparência mais inquietante. Deparamos, assim, com um filme em que a função do ator não tem nada de instrumental, quer dizer, não é secundarizada em nome de qualquer ostentação tecnológica.
Não é banal esta diferença, quanto mais não seja porque há tendências da produção americana contemporânea que, mesmo quando integram grandes estrelas, tendem a reduzi-las a mero suporte de personagens que, literalmente ou não, foram reduzidas a títeres de banda desenhada. Lembremos o caso de Robert Downey Jr., outro dos nomes fundamentais da geração (nascida na década de 60) a que Johnny Depp pertence: a sua redução a um “boneco” entaipado na armadura metálica do Homem de Ferro dos filmes da Marvel constitui um exemplo dramático de como se vai esvaziando um talento genuíno.
É certo que Johnny Depp vem de alguns aparatosos desastres, o último dos quais, O Excêntrico Mortdecai, revelava uma assustadora indigência conceptual. Seja como for, em sua defesa, importa reconhecer que nunca desistiu de ser ator, de testar os limites da expressão humana através de personagens invulgares e desafiantes – para além do seu talento pessoal, o que está em jogo é a (re)valorização do cinema como algo mais do que uma coleção de efeitos sem nada de especial.

Fonte

Matéria da CBS Boston com Luke Ryan, ator de Black Mass.

Abaixo vocês conferem a matéria da CBS Boston com Luke Ryan, o garotinho que faz o filho de Bulger em “Aliança do crime” (Black Mass).

Garoto de Scituate fala sobre o papel em Black Mass, e o tempo com Johnny Depp
Por Katie Brace, WBZ-TV
02 de outubro de 2015 22:38

SCITUATE (CBS) – Luke Ryan de Scituate se agita com seus quatro irmãos sexta à noite, assim é a vida de uma estrela de cinema de 8 anos.

Ele interpreta o filho de Whitey Bulger ao lado de Johnny Depp como Bulger no filme “Black Mass.”
“Ele é apenas a mesma criança em casa e com os amigos”, disse Leslie, a mãe de Luke Ryan.

Na vida real, Luke é muito tranqüilo. Ele ficou impressionado em como eram “normais” as estrelas, como quando ele perguntou a Depp se ele poderia trazer seu irmão no set. Luke disse que Depp disse a ele: “Este é o seu filme tanto quanto é o meu filme.”

Ele também compartilhou como estava no roteiro para ele comer ovos em uma cena de desjejum, mas ele odeia ovos. Depp então mudou para bacon. Luke disse que ele comeu bacon o dia todo.

Lucas passou três dias filmando. A cena de desjejum e sua cena no hospital morrendo foram os grandes momentos. Ele contou como ele tinha que usar muita maquiagem e eles repetiram as cenas várias vezes.

Luke e seus irmãos não tomam aulas de interpretação, mas eles gostam de atuar e geralmente fazem participações em comerciais e filmes independentes.

“Começamos como uma espécie de fundo para a faculdade e não tínhamos ideia de que iria se transformar nisso”, disse Leslie.

Leslie e Rob Ryan levaram seu filho para ver o filme, embora cobrissem seus olhos durante partes do mesmo. Eles disseram o que seus filhos fazem atuando, e como é cada menino. Lucas tem grandes planos para o futuro. Ele tem uma audição no sábado e um jogo de hóquei no domingo.

Fonte

Boston Herald – Johnny gentil em set de ‘Aliança do crime’

Johnny Depp vai além das espectativas
Por: Gayle Fee

Johnny Depp passou por uma transformação espetacular. De protagonista charmoso ao gangster careca, de olhos mortais e dentes podres, Whitey Bulger.
A estrela de “Aliança do Crime” interpreta a maldade pura nas telonas, mas foi um verdadeiro amor no set.

“Estava muito quente lá fora no dia em que filmamos a cena do desfile.” disse Jim Powers, que interpreta o personagem apelidado por Benedict Cumberbatch de “Sr. Prefeito” na saga do senhor do crime de Southie.

“Estávamos todos morrendo (de calor), mas o show tinha que continuar. Benedict estava em cena e Johnny Depp também. Assim como o ator que interpreta John Connolly. No final do dia, Johnny Depp pediu ao diretor que reunisse todos em um semi-círculo e pessoalmente agradeceu a cada um pelo trabalho que executamos. Foi muito inesperado e muito bacana.”

Normalmente, em sets de filmagens, as grandes estrelas tem pouco envolvimento com os figurantes. Na verdade eles são até orientados a não olhar para os famosos! Porem Powers afirma que a atmosfera em “Aliança do Crime” era bem relaxante e amigável.

Depp se saiu melhor com o sotaque, a qual ele atribuiu ter aprendido com seu colega de banda, Joe Perry (Hollywood Vampires).

Os relacionamentos de Bulger com Teresa Stanley e Catherine Greig, a mulher com quem ele ficou escondido por 16 anos, não são retratados no filme. Sienna Miller, que interpretou Greig, foi cortada do longa. Depp não envelhece durante as épocas retratadas ao decorrer do filme e a complicada relação ‘ying-yang’ de posse dos irmãos Bulger pela cidade não são completamente firmadas.

Alguns em Southie, especialmente aqueles afetados pelo reino de terror de Bulger, terão problemas com o filme e irão achar que o mesmo glorifica um assassino frio. E mesmo com Bulger atrás das grades, seu legado continua vivo nas vidas perdidas e destruídas e isso é algo que é melhor não ser esquecido.

Fonte
Traduzido e adaptado por: Depplovers

Matéria da PEOPLE com Eric Schneider (ex colaborador de Whitey Bulger)

Um ex integrante da gang de Whitey Bulger avalia Black Mass: “Johnny fez um trabalho espetacular”.

Um ex-colaborador de James “Whitey” Bulger, o notório mafioso de Boston, atualmente cumprindo duas penas de prisão perpétua por conspiração, extorsão, e assassinatos, teve dificuldades para assistir ao novo filme biográfico sobre ele em cartaz.

Eric Schneider, um traficante de drogas e armas que passou os últimos 20 anos ou mais no programa de proteção a testemunhas, só conseguiu assistir ao filme com Johnny Depp até os créditos de encerramento na terceira tentativa. Na primeira vez ele ficou apenas 10 minutos, pois não estava preparado para enfrentar aquilo. Na segunda vez, conseguiu ficar por uma hora e começou a se envolver com o filme. Na terceira tentativa, conseguiu ir até o fim. Ele era cético quanto ao elenco do filme, mas ficou impressionado com o trabalho do ator.

“Ninguém poderia realmente fazer Whitey, mas Johnny Depp fez um trabalho espetacular, e capturou um monte de seus maneirismos”, diz Schneider. “Em particular, Whitey era esse cara que podia ser jovial e rir com você um segundo, e então, como ao apertar um botão, você o perdia. Você podia dizer uma palavra, não sabendo que era errada, e isso era o suficiente para a mudança. Um comentário aparentemente inofensivo poderia ser motivo para se estar fora (ou morto). “Deus não permita que você o chame de Whitey”, diz Schneider. Ele gostava que o chamassem de “Jim” ou “Jimmy “, mas nunca Whitey.

“Johnny fez um maldito bonito e bom trabalho capturando este homem e o que ele era capaz de fazer”, diz Schneider, lembrando como a cor dos olhos do mafioso “mudaria” sempre que ele estava furioso.
“Fisicamente, a aparência de Whitey também mudou”, diz Schneider. “Ele tinha se tornado esse monstro, e Johnny foi capaz de transmitir isso.”

Fonte

Johnny relembra o diretor Wes Craven

Leia o doce tributo de Johnny Depp a Wes Craven.
O falecido diretor escalou Depp no filme “A hora do pesadelo” em 1984.
Por: Julie Miller

Desde a estreia de ‘Aliança do Crime’ no Festival de Cinema de Veneza, Johnny Depp tem chamado atenção positiva por sua misteriosa performance como Whitey Bulger, o gangster da vida real (e a única pessoa no mundo, pelo que sabemos, que se recusou a conhecer a estrela em um encontro particular).Com boatos de um Oscar à tona parece de certo modo, apropriado que Depp fizesse um tributo a Wes Craven na noite de Segunda-feira. O cineasta que faleceu no mês passado, três décadas após ter despontado a carreira de ator de Depp.

Após inúmeras perguntas durante o Q&A no Festival de Cinema de Toronto na noite de Segunda, Depp foi questionado sobre Craven,que deu a Depp seu primeiro trabalho de ator nas telonas no filme de terror de 1984, “A hora do pesadelo”. Depp interpretou Glen Lantz, um adolescente atormentado por sonhos com Freddy Kruegger que era também o namorado da personagem principal.

“Wes Craven foi o cara que me deu um começo, e na minha percepção, por nenhuma razão em particular,” disse Depp, de acordo com artigo reportado pela Variety.

“Eu fiz a leitura das cenas com a filha dele quando fui escalado para o papel. Naquele tempo eu era músico. Eu não estava realmente atuando. Não era nada vindo do meu cérebro ou meu coração,” continuou o ator, antes de fazer piada, “Algo que permanece nos dias de hoje.”

“Wes Craven foi corajoso o bastante por me dar uma oportunidade baseada na opinião de sua filha,” relembra Depp.
“Acho que ela já havia lido com outros atores e depois da etapa de seleção, ela deve ter dito: ‘Não,aquele é o nosso cara.’
Eu sempre penso nela por ter me colocado nessa muvuca e certamente Wes Craven por ter sido bem corajoso por me dar esse trabalho. Ele era um bom homem, então descanse em paz, velho Wes.”

Em homenagem ao tributo de Johnny, reveja as cenas do primeiro filme do ator em “A hora do pesadelo”