junho 16, 2015

Uma matéria sobre um ‘Johnny Depp em reabilitação’ retratada e o que a “People” aprendeu com isso.
Por: Paul Farhi
16 de Junho 2015 | Washington Post

Depp

A revista “People” aprendeu uma lição na velocidade da era digital de ninguém menos que Johnny Depp.

A revista que é há tempos considerada uma das mais confiáveis cronistas dos famosos e quase famosos publicou uma apimentada fofoca, porém infundada, em seu site à algumas semanas atrás de que Depp teria parado de trabalhar em seu último filme “Piratas do Caribe 5” para entrar em reabilitação por abuso de álcool. A equipe digital aparentemente esbarrou no assunto em algum canto da internet e decidiu levar pra frente.

Hmmm, péssima ideia.

Após uma reclamação dos representantes da estrela, a revista determinou que a informação não era verídica.
Martin Singer, advogado de Depp, negou que Depp havia deixado o set do filme por causa de problemas envolvendo alcoolismo.

“A única reabilitação que ele fez foi para sua mão que sofreu uma lesão”. Disse Singer em uma entrevista.

A matéria não foi somente infundada e potencialmente difamatória. De acordo com o pessoal da “People” ela impôs um problema legal e financeiro.
Os produtores de filmes pagam muito caro para assegurar suas produções contra interrupções, tais como: uma inesperada doença ou a saída de um membro importante. A divulgação de algum problema de dependência pode levar com que a companhia de seguros aumente suas taxas ou que até se recuse a emissão de uma política para uma estrela com problemas.

A revista se retratou silenciosamente removendo a matéria e estão encarando o fato como um aprendizado.

No decorrer do assunto, a revista realizou uma reunião obrigatória com toda a equipe por teleconferência no começo de Maio.
A reunião liderada por Norman Pearlstine, editor chefe de conteúdo da “Time” que é parceira da “People”, teve como foco a importância de reforçar uma das regras básicas do Jornalismo: “Não divulgar informações sem fundamentos como sendo fatos.”

As organizações de notícias vêm lutando por anos com a vontade de postar notas relâmpagos entre notas que passam por um período cansativo de verificação de informações. A adrenalina de postar as notícias em primeiro lugar e atrair um grande público tem resultado em muitos casos de notícias falsas na era da internet.

Erros também pode ocorrer através de “agregação”, que é a prática de coleta de informações de outras fontes sem vetar o material de forma independente e, por vezes, mesmo sem atribuir sua origem.

Entretanto, o episódio foi um choque para a “People” que se orgulha de fontes altamente colocadas no universo das celebridades, cultivado em partes por sua reputação de rigor e cautela. E mesmo quando rivais como o site TMZ.com e a “Us Magazine” dominam a internet com notícias quentes, onde outros sites sem fontes confiáveis acabam ficando tentados à divulgar apenas para se manterem na mesma velocidade, a “People” tem sido conhecida por passar horas ou dias de espera até que se pudesse confirmar a notícia através de suas próprias fontes.

Porém a “People” tem visto um aumento recorde de acessos a suas matérias online com ênfase naquelas publicadas mais rapidamente e em grandes números, segundo à revista “Adweek”.
A estratégia teria sido impulsionada em partes por jornalistas recém-contratados vindos do site “TMZ” e da página Britânica “Daily Mail”. Duas fontes de notícias de peso sobre celebridades.

“Significa basicamente isso: digitem mais rápido, façam as ligações o quanto antes. É um processo metabólico”. Disse o diretor de edição online, Will Lee à revista “Adweek”. – “Estamos transformando algo de semanal para questão de segundos.”

A necessidade de velocidade têm perturbado alguns na redação da revista, que diz colocar a reputação da mesma em risco.
“Há uma corrida louca por conteúdo, conteúdo, conteúdo”, disse uma das jornalistas da “People” que pediu para não ser identificada porque não está autorizada a falar em nome da empresa.

Ela notou que o caso de Depp foi particularmente incomum já que a “People” têm se mantido na defensiva em divulgar informações que sua lista de celebridades renomadas preferem manter privadas, tais como orientações sexuais ou problemas de saúde. Eles foram cautelosos, por exemplo, ao noticiar a transição de Bruce Jenner para Caitlyn Jenner enquanto os rumores da intenção de Jenner circulava.

Pearlstine e o editor da “People”, Jess Cagle, não quiseram comentar.

A porta voz da revista, Marnie Perez, também não comenta o caso Depp.

“Não fazemos comentários sobre o processo editorial”, disse ela que também acrescentou: “Fazemos reuniões com frequência sobre padrões de notícia porque elas são importantes pra nós”.

Fonte | Traduzido por: Depplovers – Favor manter nossos créditos


One Response to “Depp faz revista retirar matéria falsa!”

CamilaD

Johnny e sua equipe fizeram justiça! Calaram a revista! Beleza!
Gostei da noticia, dá para cita-la até em futuro TCC! Vou salvar aqui!

junho 17, 15 • 2:44 am


Comment Form