Uma conversa com Johnny Depp – Festival de Filme em Zurique – 05/10/2018

Aqui você encontrará entrevistas antigas e recentes com o Johnny, em português

Moderador: Rosa Maria

Avatar do usuário
bruniisf
Mensagens: 14
Registrado em: Qui Dez 21, 2017 2:02 am
Localização: Uberaba - MG

Uma conversa com Johnny Depp – Festival de Filme em Zurique – 05/10/2018

Mensagem por bruniisf » Qua Out 10, 2018 8:42 pm

Uma conversa com Johnny Depp – ZFF – 05/10/2018

Voces estão livres para compartilhar, mas por favor dar os creditos ao DeppLovers ao repostar a tradução em partes ou na íntegra. Traduzir requer tempo e pesquisa



Tradução do video:

Steven Gätjen: [o vídeo se inicia no meio da pergunta] trabalhar junto (com Tim Burton), e como saiu Edwards Mãos de Tesoura? Foi uma espécie de amor à primeira vista entre vocês dois?

Johnny Depp: Eu não sei. Foi esquisito... Foi estranho. Eu voei para Los Angeles para ter uma reunião... Voei para Los Angeles contrariado para ter uma reunião com Tim. Porque eu pensei que de forma alguma ele me daria aquele papel. Na época eu estava trabalhando numa série de TV que eu desesperadamente estava tentando ser mandado embora. E eles não estavam interessados em me mandar embora. E eu fiz coisas muito mais horríveis naquela série do que eu já fiz com qualquer personagem. Como aparecer no set com uma peruca do George Washington e um elástico preso no fundo da língua. “para uma abordagem mais profunda do personagem” (ele diz falando com a língua presa). Então eu comecei a usar escolhas do personagem e dizer “não, não. Pera aí. Você não pode fazer isso. Vocês me contrataram para fazer esse papel e vocês não podem mexer com minhas escolhas do personagem. Isso não vai acontecer.” E ainda assim eles não me demitiram.

Então eu fui me encontrar com Tim pensando “isso é uma perda de tempo e desolador”. Porque eu li o roteiro de Edward e aquilo me emocionou profundamente. Assim, você lê aquilo com lágrimas pulando dos seus olhos. E eu entendia o personagem. Eu entendia o que ele precisava ser. Então eu fui até essa cafeteria e eu não sabia como ele era então eu entrei procurando por ele e então eu vejo esse cara, esse cara inquieto com um cabelo espetado, seus fios por todo o lado, mexendo com a colher de café, desenhando... E aí eu falei “ah, sim. Esse é ele. Esse é o cara.” Então nós começamos a falar sobre o filme, sobre o personagem, sobre coisas, crianças, nossa infância, e notamos origens semelhantes e nós falamos por três horas e meia e bebemos, sei lá, 15 xícaras de café. Então estávamos os dois saindo pelos nossos crânios por causa da cafeína. Os braços do Tim estavam por todo o lugar e eu saí da cafeteria mastigando uma colher... Uma colher de metal. Então eu pensei “bom, foi ótimo conhecer esse cara. Ele é muito legal” e eu não ouvi nada a respeito depois de um mês, quando o telefone tocou e eu ouvi essa voz “Johnny” e eu “Sim?” “Você conseguiu o Edward”. Um mês depois. Explodiu minha cabeça!

Edward foi baseado em recém-nascidos e crianças que estão vendo as coisas pela primeira vez. Quem pode ver beleza com uma fascinação... Como por uvas de resina ou isso [aponta e pega algo fora da imagem]. Tudo é novo. Controle remoto. Uau! E um cão que eu tive, que tinha um amor incondicional, mesmo se você tivesse mandado ele ir para o canto e com um estalo ele estava de volta, com os olhos cheios de amor. Então esse cachorro foi base para o personagem. E eu acho que foi a primeira vez que o Tim e a roteirista Caroline Thompson tiveram um ator cortando 85% das falas. Eles falaram “atores sempre querem falar mais!”.

Pra mim era certo que Edward teria seu vocabulário seria limitado. Mas limitado numa forma inocente... Quando Dianne Wiest [que interpreta Peg] vem ao castelo e ela vem me confrontar no aposento do castelo, ela me pergunta onde meu pai estava e a fala escrita era “ele está morto. Ele morreu”. E eu achei que isso seria “saber demais” para Edward, então eu mudei para “ele não acordou”. O que eu acho que abre uma margem maior de pureza e inocência para o personagem. Morte não existe em sua cabeça. Ele apenas não acordou. Eu não sei por quê. E Tim foi muito paciente porque eu acho que todos estavam pirando nas primeiras semanas. Tim estava um pouco nervoso, mas não sei, pareceu funcionar...

Steven Gätjen: Eu acho que vocês já fizeram nove filmes juntos até hoje, e tudo começou com Edward Mãos de Tesoura. Como você descreveria, depois de todos esses filmes, a relação de trabalho de vocês e amizade de vocês. É mais amizade ou mais trabalhar com um amigo. É uma relação de completa confiança da parte dele e ele deixa você fazer o que quiser?

Johnny Depp: Sim. Essa é a coisa mais importante entre um diretor e um ator... É ter confiança. Algumas vezes, você pode falhar, e tudo bem. Mas nessa tentativa você pode encontrar algo que não tenha sido pré-fabricado, já mastigo. É algo novo. E acontece no momento. Nossa relação obviamente como amigos e irmãos foi solidificada grandemente durante os anos. Nós fizemos Edward em 1990. E desde o começo teve uma linguagem para isso porque Tim é um pouco é um pouco gago, sabe? Eu sou um pouco gago. Então nós desenvolvemos essa estranha linguagem. Nós temos esse jeito... Uma vez um eletricista chegou pra mim no set e falou “Eu estava vendo você e o Tim e eu vi vocês conversarem pelos últimos 15 minutos e não entendi uma palavra do que vocês disseram um para o outro.”

E a forma como ele passa suas direções pra mim ainda são as mesmas. Ele só vai olhar pra mim e [faz sinais e gestos com as mãos apontando para os lados e cerrando os olhos] e eu entendo. Algo como [gesticulando as mãos e apontando] “quando ele vai... Então, aquilo está lá, certo? E aí uau” E eu falo “sim, sim, sim, claro!” E isso acontece até os dias de hoje.

Steven Gätjen: Tem alguma coisa ao horizonte entre você e Tim? Alguma coisa que você possa falar a respeito?

Johnny Depp: Nós falamos sobre inúmeras coisas e eu tenho certeza que tem alguma coisa a vir que nós vamos descobrir como fazer juntos. Eu certamente espero que sim. Mas Tim é um desses que se pegar qualquer pedaço de papel entre vários pedaços de papel e quiser filmar isso, eu iria pegar pra mim e fazer. Não me importa a respeito de que seja. Eu farei. Sim... Ele é meu melhor amigo no mundo.

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=4zjdLu6UkyY
Imagem

Avatar do usuário
Rosa Maria
DL Moderadora
DL Moderadora
Mensagens: 11345
Registrado em: Dom Out 09, 2011 6:11 pm
Localização: Osasco - São Paulo

Re: Uma conversa com Johnny Depp – Festival de Filme em Zurique – 05/10/2018

Mensagem por Rosa Maria » Seg Out 15, 2018 1:16 pm

A amizade destes dois é tão peculiar. Parece que se conhecem desde sempre, de vidas passadas! :thankyou: Bruna! Tantos detalhes lindos nesta tradução!
Imagem
DeppLovers, quatorze anos de carinho, admiração e respeito.

Responder