agosto 2, 2015

Conforme divulgado anteriormente, a banda “The Hollywood Vampires” agora tem um site oficial. Abaixo vocês podem conferir a tradução da nota de apresentação escrita pelo renomado compositor britânico Bernie Taupin.

hv2

OS HOLLYWOOD VAMPIRES

Eu acho que foi Charles Dickens que melhor descreveu. Embora a invocação de seu nome relacione um estranho companheiro de cama à uma fraternidade de embriaguez que durou bem mais de um século depois, pode-se dizer que ele tinha os Hollywood Vampires firmemente na mira de seus textos imortais. Em uma era de excessos em todos os níveis, foi, aliás, “o melhor dos tempos, o pior dos tempos, e foi a idade da sabedoria, (bem, talvez nem tanto), era a idade da insensatez.”

Eu não tenho certeza se é importante citar nomes; eles eram obviamente homens de talentos variados que se reuniram em uma unidade coletiva sob a segurança do mesmo guarda chuva juntamente com uma predileção por canalizar os fantasmas do passado hedonista. Embora seja presunçoso compará-los com os clássicos literários do “botar pra quebrar” masculino (estou falando de Rimbaud, Verlaine e Shelly & Byron), eles são de fato aqueles réprobos do agito em Londres; (Burton, O ‘Toole, Ollie Reed & Richard Harris), eram os mais propensos a fazer uma pose como uma imagem de espelho teatral dos vampiros de Hollywood.

A zona de conforto de um clube de beber comum é tão antiga quanto o tempo, e do seu sublime poleiro agora gravado em uma placa de bronze em algum lugar nas entranhas da Sunset Strip, este grupo heterogêneo de roqueiros Americanos e expatriados Ingleses congregavam todas as noites em suas cadeiras giratórias musicais.

Você pode balançar a cabeça e imaginar que não foi realmente lá essas coisas, e em retrospecto você pode ter razão. Sim, os participantes tinham destaque e eram de grande sucesso, mas fora as grandes quantidades de álcool consumido, por que esse burburinho todo? O que é que tinha de mais? Bem, é por aí mesmo. Ninguém envolvido se via como uma grande coisa ou um burburinho convidativo. Bajuladores e acólitos não faziam parte dos critérios de adesão. Era um grupo sem frescuras que gravitou para uma zona de conforto onde nada se esperava deles. Quando os vampiros entravam na capoeira, o campo de jogo era nivelado.

Eu não estou aqui para defender seus vícios. Excesso de indulgência de qualquer tipo não constitui em última instância para uma mente e corpo saudável. E na periferia dos envolvidos, esposas vinham e iam, as escolhas de carreira poderiam ser consideradas duvidosas na maioria das vezes, o desgosto em alguns casos perseguia em um corredor escuro na minha memória reconhecidamente vacilante, mas no covil dos vampiros de Hollywood os únicos que reinavam era a alegria e o riso.
Eu não estou completamente certo do que constituía o mau comportamento na época, mas este covil existia dentro de uma bolha, uma cúpula hermeticamente fechada de diversão. Pode não ter sido a mesa-redonda de Algonquin, mas eles eram caras espirituosos, inteligentes e que muitas vezes ficavam roucos e barulhentos, mas tenha certeza de que não havia espectadores ou animais feridos na confecção dos vampiros de Hollywood.

Se uma anedota é necessária para desvincular a presença deles em clubes e bares escuros e esfumaçados , pondere com descrença a tentativa deles de tentar um esporte de equipe. Aquele que possuía o “Bastão morcego” pra imaginar que eles poderiam organizar um time de soft-ball vai além de mim. As lembranças são obscuras, entretanto eu me lembro que as camisetas eram iradas e meio sem noção porque nosso time era dividido por aqueles que: (A) Não estariam acordados nos horários normais de uma partida. (B) Se eles estivessem acordados sua quota toxicológica provavelmente iria ferrar suas habilidades performáticas. (C) Estou praticamente certo de que muitos dos membros nem sabiam o que era soft-ball!

Todas as coisas boas chegam ao fim e embora alguns tenham subido uma escada para escapar de seu inferno alcoólico, outros pagaram o pato e sucumbiram. Há uma tristeza definitiva à longo prazo que fala da grande quantidade de talentos desperdiçados e vidas ceifadas cedo demais, mas ao invés de debruçar sobre a negatividade, não seria melhor se lembrar do que os mortos nos deram e no que os vivos ainda pode contribuir?

Talvez seja a “era da sabedoria”, porque apesar de tudo, foi isso que os sobreviventes herdaram.

Bernie Taupin
Santa Ynez, California. Julho de 2015

Tradução: DEPPLOVERS – Por favor mantenha nossos créditos.


3 Responses to “Nota de apresentação do site oficial dos “Hollywood Vampires””

Salete

Obrigada Juliana! Que belo resgate esses caras estão fazendo dos ídolos que já se foram. Não vejo a hora de ouvir esse álbum.

agosto 2, 15 • 1:51 am


Rosa Maria

Bravo! Belas palavras! ” Ao invés de debruçar sobre a negatividade, não seria melhor se lembrar do que os mortos nos deram e no que os vivos ainda pode contribuir?”
Sim, um brinde ao Bernie e aos Vampiros de Hollywood!

agosto 2, 15 • 1:57 am


CamilaD

E que os sobreviventes possam mostrar toda a sabedoria que herdaram dos antigos vampiros! Que venha o Hollywood Vampires!
Obrigada Jay.

agosto 2, 15 • 2:11 am


Comment Form