Artigos  ·  Campanhas  ·  Dior  ·  Johnny Depp

Nota da Dior sobre Johnny Depp

JOHNNY DEPP
CORPO E ALMA

FB_IMG_1440449561012

Até agora ele nunca havia sido o rosto de uma fragrância. Ele nunca retratou ninguém além dos personagens que marcaram sua ilustre carreira. Johnny Depp é agora o homem “selvagem” da Dior.
Uma incrível osmose com um projeto feito sob medida para ele. Um mundo no qual ele se encaixa perfeitamente.

Johnny Depp é um ator extraordinário, cheio de mistério. Um ídolo. Uma lenda das telas e uma das poucas lendas de Hollywood vivas nos dias de hoje. Sabemos que ele tem o rock na alma, mas é a sua atuação que melhor descreve o retrato de um ator talentoso.

Alguém atormentado, capaz de divergência e obscuridade, bom humor e excesso, classicismo e vanguardismo.

De John Waters à Jim Jarmusch, sem mencionar Kusturica e Terry Gilliam, sua carreira tem sido uma longa série de escolhas ousadas. Fiel à Tim Burton, seus intensos e insondáveis personagens não cansam de impressionar.

PARA A DIOR E JEAN-BAPTIST MONDINO…

Ele não se impõe limites. Transformando-se em “selvagem”, desnudado, um moderno xamã que não teme a aspereza da missão e nem suas emoções.

Um papel sem precedentes para atuar no qual ele quebra o molde de sua própria identidade.
__ Ator e homem emergido em um.
__ As máscaras caíram.
__ Johnny Depp se doa de corpo e alma para a Dior.
__ Seja bem vindo, Johnny Depp.

Tradução: Depplovers

Johnny Depp em quadrinhos

Steve McGarry é um cartunista britânico cujo trabalho inclui as histórias em quadrinhos Badlands, Pop Culture, Biographic, Kid City and Mullets.Um ex-designer de capas de dicos, cujos créditos incluem projetos de capas para Joy Division, Slaughter & The Dogs, Jilted John e John Cooper Clarke. Ele vive na Califórnia desde 1989, e é um premiado cartunista ( ganhador do NCS Newspaper Illustration Award em 2003 e do Prêmio T-Silver Square pela NCS em 2012). Uma de suas especialidades é desenhar biografias de atores, músicos e bandas.

Hoje ele publicou no gocomics.com a biografia de Johnny Depp.

Biographic

Biographic

gocomics.com

FaceBook

Artigos  ·  Black Mass  ·  Filmes

Artigo do Tulsa World sobre Black Mass

O assassinato de Roger Wheeler cometido por Whitey Bulger e retratado no filme “Black Mass.”
Por: Michael Smith | Tulsa World

david
(David De Beck)

O assassinato de Roger Wheeler em 1981 no Southern Hills Country Club em Tulsa, fato este que ocorreu em um estacionamento à pedido do gangster Whitey Bulger, foi recriado e gravado para um filme sobre o senhor do crime, interpretado por Johnny Depp.

Se a cena vai aparecer ou não em “Black Mass” quando a versão final do filme for lançada em 18 de Setembro é um fato ainda desconhecido.

O ator de Boston que interpretou Wheeler no filme disse que filmou a cena fatal em um country club em Concord, Massachusetts, que serviu como “réplica” da Southern Hills.

“A cena é tão realista quanto a cena da cabeça de cavalo em ‘The Godfather’ e eu creio que as pessoas ficarão chocadas com ela”. – comenta o ator, natural de Boston, David De Beck sobre a cena do tiroteio.
“Talvez isso te mate de susto, porque me matou de susto quando estava acontecendo.” completa. Read More

Artigos  ·  Campanhas  ·  Depplovers  ·  Dior  ·  Traduções

Tradução do artigo do Madame Lefigaro (França)

A nova face de Johnny Depp.
Por Gabrielle de Montmorin | 22 Agosto 2015

A marca Dior conseguiu o impossível: convocar Johnny Depp para ser seu “muso”. Aos 52 anos, a estrela iconoclasta empresta sua animalidade para “Sauvage”, o novo perfume masculino.

Inicio de Junho, as redes sociais foram a delírio com o anúncio feito pela Dior: Johnny Depp se tornaria o modelo de seu novo perfume masculino. Johnny Depp!
Rumores, tweets, posts e publicações se desencadearam. Estrela hollywoodiana e pirata (ele está gravando o 5º filme da franquia Piratas do Caribe), o marido de 52 anos é conhecido por recusar campanhas publicitárias. Qual é a desse perfume, o primeiro lançado desde “Dior Homme” há dez anos, que seduziu o incorruptível e o fez se juntar a Alain Delon ou Robert Pattinson na lista dos ícones da marca? Suspense.
A página da Dior no facebook não dá nenhuma informação complementar, assim como a conta no Instagram de Lily-Rose Depp, a filha do ator com Vanessa Paradis, que é bem ativa nas redes sociais. Apenas um punhado de jornalistas vindos dos quatro cantos do planeta foram autorizados a participar desse mistério de marketing lindamente orquestrado, 10 mil quilômetros da avenida “Montaigne”, no deserto californiano.

Para compreender essa nova história olfativa, sua origem e o homem que a conta, o criador de perfumes Dior, François Demachy, escolheu o apresentar no coração da imensidão do deserto “Mojave”, entre Los Angeles e Palm Springs. Um espetáculo grandioso para um perfume do qual o nome ressoa como um manifesto: Sauvage (Selvagem).

“O perfume foi feito com base no seu nome de batismo. Foi muito inspirador”, diz. Um cenário, uma fragrância, um homem: radical e sem compromisso.

A imagem dessa natureza bárbara a qual François Demachy ama se confrontar na sua vida, de viagens familiares até uma maratona no deserto – quilômetros de areia e de seixos – foi uma aposta feita há quatro anos. Para expressar essa energia poderosa, foi o fotógrafo Jean-Baptiste Mondino que colocou Johnny Depp em cena, mais verdadeiro que nunca: rock e boêmio. O rock? Uma velha história para o ator que no início, estava na primeira parte da turnê de Iggy Pop e regularmente sobe ao palco como parceiro de Marilyn Manson.

É então no estúdio de gravação que começa a propaganda de “Sauvage”, no ritmo de Ry Cooder, o guitarrista que compôs a música original. O desenrolar? Johnny Depp coloca sua guitarra, embarca em seu Dodge e deixa a cidade para uma viagem rumo ao desconhecido. Ele segue por entre a noite azul em uma rodovia, ao longo “Panorama Road” e sua deslumbrante vista das montanhas de Santa Rosa, deixa para trás a célebre mansão “Frey House” esculpida em pedra do Canyon “Tahquitz”. O sol nasce em parques eólicos, o herói traça a estrada, solitário como um cowboy determinado, chega a seu destino em um deserto repleto de ‘Árvores de Josué’. Ajoelhado na areia, o homem selvagem se desfaz de seus aneis, braceletes e colares os enterrando, como numa lenda indígena. Mitologia de liberdade, ritual do renascimento.

A força desse filme publicitário? Redescobrir um Johnny Depp de cara limpa, original, sem máscaras ou maquiagem que marcam seus personagens nos últimos filmes. Descobrimos aquele que amamos como em filmes de Emir Kusturica, Jim Jarmusch ou ainda alguns de Tim Burton. Com ele, a saga publicitária dos perfumes Dior se enriquece numa metáfora comtemporânea com base na ideia de liberdade, idealmente encarnada por esse ator reconhecido por ser iconoclasta. A história masculina da Dior volta para 1955, ano onde o grande perfumista Edmond Roundnitska imagina “Eau Fraîche”, primeiro unissex da história da perfumaria, que inícia os heróis da marca.Em 1966, seguindo para o revolucionário “Eau Sauvage”, primeiro masculino oficial da marca. Sucesso considerável e assinado pelo ilustrador René Gruau. Em 2009, uma foto vintage do belo Alain Delon (período “La Piscine”) relançou o sucesso dessa fragrância icônica. O sucederam “Jules” e “Fahrenheit”. Mais recentemente, o visionário “Dior Homme” marca o poder de suas fragrâncias. Fiel à história dos perfumes da marca, seu misterioso rastro perturba os códigos de fragrâncias masculinas. Jude Law é o modelo, deixando o lugar para Robert Pattinson em 2013, num spot sensual.

Quinto perfume masculino da marca – em apenas sessenta anos – “Sauvage” traz “uma novidade violenta”, diz Demachy, resultado de associações olfativas virtuosas. Aromas entre almiscarado e animal se misturam continuamente, acordados magnificamente com notas florais que marcam os perfumes masculinos Dior. François Demachy o resume bem: “tivemos matérias diretas para destacar esse perfume extremo.”

FONTE
Tradução do Francês: Sara Luiza | Depplovers.